Florianópolis e as lendas da Ilha da Magia

Floripa é muito conhecida como a “Ilha da Magia”  mas o que muitos acreditam é que esse titulo seja apenas justificável pelas praias incríveis e por lugares cheios de energia em cada canto da ilha. Porém, existe muito mais na história da ilha que motiva esse adjetivo; são lendas e estórias do rico folclore local, que falam desde bruxas até lobisomens…

Segundo conta-se, durante o inquisição européia, muitas bruxas fugindo da maciça perseguição em terras portuguesa vieram parar na ilha de Nossa Senhora do Desterro.
Dizem que muitas delas fugiram para a Ilha dos Açores, de onde embarcavam de forma clandestina em barcos que vinham colonizar o Brasil e assim, terminaram desembarcando na atual Florianópolis.

Muitas são as histórias de pescadores que contam já terem escutado risadas em alto mar ou tiveram seus barcos roubados e tarrafas danificadas.

Contam os antigos que uma das diversões favoritas delas era dar nós nas crinas dos cavalos. Há, inclusive uma criança local que resisti até os tempos atuais, na qual recomenda-se que quem muda-se pra Floripa deve pedir licença às bruxas ao chegar, para assim ser bem sucedido, viver bem e em paz na tal Ilha da Magia!

Lobisomem em Ratones

 

O bairro de Ratones é famoso por sua história de um antigo lobisomem.
Diz a lenda, que o tal  “lobisome”, como dizem os manezinhos, era filho de uma senhora moradora da região, quando o marido se ausentava à noite, ela ia dar banho no filho em uma gamela (uma espécie de bacia de madeira. Porém todas as vezes um cachorro tentava morder o pobre garoto no caminho para o banho e ela enxotava o animal, mas esse sempre teimava em voltar.

Um dia a senhora investiu mais violentamente e deu uma pancada no tal cachorro, que ficou enfurecido e, antes de fugir para o mato, rasgou a saia da mulher.
A surpresa aconteceu na manhã seguinte, quando a mulher ficou surpresa ao deparar-se com os fiapos de sua saia presos nos dentes do marido, que ainda dormia ao seu lado.

Assim se espalhou a história do que seria uma família de lobisomens no bairro de Ratones.

A Praia da Joaquina
joaquina florianópolis

A história do nome dessa famosa praia de Florianópolis não envolve seres sobrenaturais, mas uma triste história, que possui duas vertentes.

Uma história conta que Joaquina era uma jovem muito bonita, que chamava a atenção de todos por onde passava, até que se apaixonou por Alberto, um pescador.
Depois de perder a mãe e o avô, a jovem foi até o amado pedir para que ele não se aventurasse mais em alto mar. Ele a garantiu antes de partir que seria a sua última vez e assim foi.
Alberto nunca mais voltou.

Joaquina passou o resto da vida cuidando de seu pai e caminhava todos os dias da Lagoa da Conceição, passando pelas dunas, até chegar na praia, só para olhar o mar e lembrar do grande amor de sua vida. A jovem bonita que chamava atenção de todos envelheceu e já mais velha, aparentando ser uma mulher sofrida na vida e um dia morreu nas areias da praia.

A outra história, diz que Joaquina era uma senhora rendeira e que morava numa casa à beira do mar. Era muito amiga dos pescadores e ensinava as outras mulheres a fazerem rendas e outros utensílios domésticos. Uma noite estava sentada nas pedras fazendo o seu trabalho e se distraiu com a beleza da lua, quando veio uma onda grande e arrastou Joaquina.

Os Fantasmas da Ilha de Anhatomirim

Na Ilha de Anhatomirim, conhecida pela sua fortaleza centenária, fantasmas de quem foi sacrificado por lá, segundo dizem, se reúnem durante noite sentados sobre as pedras, em volta de um tronco de araçazeiro, onde eram enforcados.
Esta é a lenda da Árvore dos Enforcados, popularizada pelos antigos.

A luz dos Ingleses e Rio Vermelho

Essa é a lenda da Luz da Bota ou simplesmente Luz que Aparece.
Contam que havia no passado sempre uma luz vermelha que aparecia pela região, luz essa que projetava a sombra de uma bota. Ao que se saiba, nunca fez nada a ninguém, mas os moradores jamais tiveram coragem pra ir contra a luz e importuná-la.

O Monge da Ilha do Arvoredo

Muitos afirmam que na Ilha do Arvoredo a algum tempo atrás apareceu um monge.
Ele foi encontrado vivendo em uma gruta que existe na ilha, que é chamada de Gruta do Monge.
Dizem que foi encontrado por pescadores da Ponta das Canas e Canasvieiras. O monge curava e ensinava remédios.
Até que um belo dia não foi mais encontrado, assim como apareceu, desapareceu e nunca mais ninguém o viu ou soube notícias desse homem.

Salão das Bruxas de Itaguaçu

Reza a lenda que as bruxas desde sempre vivem disfarçadas no meio da população da ilha.
Uma delas havia um dia participado de uma grande festa da alta sociedade e acabou contando para as amigas de sua experiência. As demais se empolgaram e resolveram todas fazer uma grande festa apenas para as bruxas da região, onde não precisassem de nenhum disfarce.
O local escolhido foi a praia de Itaguaçu, na parte continental de Florianópolis.

O único que não foi convidado para a festa foi o Diabo, porque elas diziam que ele fedia a enxofre e as obrigava a beijar o seu rabo como sinal de respeito e poder. Tudo corria bem, porém uma das bruxas havia contado pra ele sobre o que as outras estavam planejando.
Furioso, o Diabo teria ido até a praia e no ápice da festa, transformou todas as bruxas presentes em pedras. Hoje as pedras, como que delicadamente colocadas, embelezam o lugar.

Essas são algumas das lendas mais conhecidas, que por fim acabam reforçando o misticismo da Ilha da Magia. E você? Conhece alguma outra história? Compartilhe conosco!

No creo en brujas, pero que hay, hay.”

 

Curta e Compartilhe!
0