O único cemitério de gatos do mundo fica no Brasil

Para lembrar a memória de seus felinos, em Blumenau – Santa Catarina, a sobrinha do fundador da cidade criou o 1º e único cemitério de gatos do qual se sabe, no mundo!
Edith Gaertner nasceu em 1882, filha do cônsul da Alemanha e da fundadora do teatro da cidade, era a caçula de um total de oito irmãos.
Aos 20 anos, depois da morte dos pais, Edith saiu do Brasil sozinha, indo trabalhar de governanta, depois em uma fazenda no Uruguai, seguindo com o tempo para a Argentina, onde começou a realizar seu sonho de ser atriz.

Edith viajou pelas principais cidades da Europa e subiu nos mais famosos palcos, onde encenou Goethe, Schiller, Molière e Shakespeare. Segundo historiadores, a crítica da época sempre remetia muitos elogios para sua dicção e “mímica”.
Porém, em 1924, pós a 1ª guerra mundial, e com as dificuldades da Alemanha, com seus dois irmãos solteiros muito doentes, acabou abandonando a carreira e retornando ao Brasil.

Novamente em Blumenau, voltou à viver na propriedade da família Gaertner, construída no centro histórico da cidade, onde hoje fica o Museu da Família Colonial e o horto florestal. A partir dali, Edith que tinha pouco mais de 40 anos mudou radicalmente seu estilo de vida.

“Solteira, Edith nunca teve filhos. Não trabalhou mais com teatro, vivia enclausurada. Para passar o tempo tinha gatos e dedicava toda sua afetividade para eles. Tinha seis, sete gatos de uma vez só e conforme eles foram morrendo, ela os enterrava nos fundos da casa”, segundo Sueli Petry, historiadora da cidade.

Entre 1920 e 1960 foram mais de 50 gatos enterrados em seu cemitério, mas apenas nove lápides permaneceram até os dias atuais, depois da sua morte em 1967 e da revitalização do parque. Ainda em vida, Edith doou o terreno para a prefeitura, onde quando de sua morte em 1967, o então diretor da Biblioteca Pública, José Ferreira da Silva, transformou o imóvel em museu.

Pepito, Peterle, Milr, Mirko, são alguns dos nomes escritos nas lápides de concreto que resistiram ao tempo.
Felinos amados que viveram no século passado, que por fim tiveram uma homenagem inusitada, anda mais para a época.

O cemitério de gatos está localizado aos fundos da Fundação Cultural de Blumenau, anexo ao Museu da Familia Colonial e ao mausoléu que guarda os restos mortais do fundador da cidade. Pode ser visitado diariamente e seu acesso é grátis. Para acessar o museu a entrada custa R$ 3,00 e as visitações ocorrem de Terça a Domingo, das 10hs às 16hs.

“Ao esmagar hoje uma aranha, perguntei-me se me era lícito matar a quem Deus dera, como a mim, parte igual nos dias dessa vida”.

“Heute eine Spinne zu zerquetschen, fragte ich mich, ob ich war rechtmäßig zu töten, die Gott hatte, wie ich, wie in den Tagen des Lebens”

Curta e Compartilhe!
0