Pesca com botos em Laguna será patrimônio cultural catarinense

Será entregue neste Sábado, 09, às 16h30, no Memorial Tordesilhas, localizado no Centro Histórico de Laguna, pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC), o “Certificado de Registro da Pesca Artesanal com Auxílio dos Botos como Patrimônio Cultural Imaterial de Santa Catarina”. O cetáceo já é patrimônio do município, entretanto, a cultura que o envolve a pesca com auxílio do boto na cidade ainda não.

O pedido foi solicitado em 2017, onde deste então a diretoria de preservação do patrimônio histórico da FCC analisou os documentos e o Conselho da FCC certificou como patrimônio. A chancela será publicada no Diário Oficial do Estado e constará no Livro de Registro dos Saberes, que institui as formas de Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial ou Intangível, que constituem o Patrimônio Cultural de Santa Catarina. Neste contexto, a pesca com auxílio dos botos será inscrita como conhecimento enraizado no cotidiano da comunidade.

Participarão na cerimônia pescadores artesanais e integrantes da Pastoral da Pesca; o historiador Rodrigo Rosa, que fez a defesa da pesca na Fundação Catarinense de Cultura; representantes da FCC; da Secretaria do Turismo, Cultura e Esporte de Santa Catarina; Iphan; o governador Eduardo Pinho Moreira; prefeito Mauro Candemil, presidente da Fundação Lagunense de Cultura, Márcio José Rodrigues; secretários municipais e convidados.

Integra a cultura do boto, a gastronomia, linguagem coloquial, paisagem, barco, tarrafas, redes de pesca, pois são a manifestação popular lagunense. A pesca com auxílio dos botos, pode ser apreciada no canal dos Molhes da Barra e outros pontos da lagoa Santo Antônio.

ESTUDO DOS BOTOS

A Udesc, tem dentro do curso de Engenharia de Pesca, projeto que estuda a espécie, coordenado pelo professor Pedro Volkmer de Castilho. O município de Laguna, possui um complexo lagunar que é conhecido mundialmente por ser habitat de uma pequena população, cerca de 50-60 indivíduos, da espécie Tursiops Truncatus, conhecido popularmente como boto-da-tainha.

Esta população, caracterizada por ser extremamente residente, possui um comportamento peculiar, a pesca cooperativa com os pescadores artesanais da região, onde uma parcela da população de botos, 23 a 27 indivíduos auxiliam os pescadores encurralando o cardume de peixes e indicando por meio de uma sequência de sinais, o momento exato de jogar a rede, aumentando as chances de sucesso da atividade.
Esta atividade de pesca, tornou-se patrimônio da cidade de Laguna através da lei municipal N° 521, de 1997.

Apesar da extrema importância não só ecológica, mas também socioeconômica, a população de Tursiops Truncatus da região, sofre uma série de ameaças, sendo elas trafego de embarcações, captura em redes de pesca, perda de habitat e doenças causadas por exposição a contaminantes.

A cidade do litoral sul catarinense detém o título de “Capital Nacional dos Botos Pescadores” (Lei 13.818/2016) por desenvolver a pesca cooperativa da tainha com o golfinho. Os botos, em um movimento sincronizado, cercam o cardume, o pescador aproveita e lança a tarrafa ao mar. Apesar de ser avistado em todo o litoral brasileiro, só na região do Canal da Barra, nos Molhes, o boto apresenta esse comportamento.

Curta e Compartilhe!
0